Recebemos nas últimas semanas diversas doações interessantes que ajudaram a enriquecer nossas estantes. Os livros recebidos abordam temas desde a Comuna de Paris até clássicos de Elisée Reclus. Os livros foram doados pelos companheiros Alexandre Samis e Wili Sapateiro.

samis

Título: A Comuna de Paris – Uma Aventura Socialista
Autor: Alexandre Samis
Editora: FAPERJ
Ano: 2013
Idioma: Português
Páginas: 140

Este livro é uma adaptação do já clássico livro de Alexandre Samis sobre a Comuna de Paris, Negras Tormentas, ao formato paradidático, para ser utilizado em escolas e colégios. A adaptação foi feita por Rogério de Castro e homenageia um dos mais importantes militantes anarquistas brasileiros, José Oiticica.

Título: La Comuna de Paris i La Revolució Espanyola
Autor: Federica Montseny
Editora: L’Eixam Edicions S.L. – Colecció Roja i Negra
Ano: 2007
Idioma
: Catalão
Páginas: 71

“A Espanya, la República fou, des del primer moment una República de tendències socialistes. Els que portaren la idea eren homes oberts al món. Eren un Pi i Maragall, un Sixt Cambra, un Figueras, un Joarizti, un Salmerón, tots ells homes de cultura, d’idees universals, que havien viscut proscrits en l’estranger, i que portaven a Espanya, junt amb les de la República, les idees de Proudhon, de Bakunin, de Karl Marx.”
Federica Montseny

“En 1937, aquesta mateixa Federica tornava els ulls cap a la revolució Francesa i, especialment, cap a la Comuna parisenca de 1871 per a assenyalar que en la genealogia de la voluntat descentralitzadora manifestada per la revolució espanyola de 1936 estaven tant la Comuna, una revolució “comunalista” i “no comunista”, com les idees “federalistes” que segons resa aquest text de Federica “respecten la llibertat humana, que l’enllacen i la vinculen resumint-les en aquesta frase gairebé definitiva de Pi i Margall: “La llibertat d’un, acaba on comenca la llibertat d’un altre”.

Título: Anarquismo – Crítica e Autocrítica – Primitivismo, individualismo, caos, misticismo, comunalismo, internacionalismo, antimilitarismo e democracia
Autor: Murray Bookchin
Editora: Hedra
Ano: 2011
Idioma
: Português
Páginas: 144

“Esta edição reúne “Anarquismo social ou anarquismo de estilo de vida: um abismo intransponível” e “A esquerda que se foi: uma reflexão pessoal”. O livro é parte da Série Estudos Libertários, que reúne obras, em sua maioria inéditas em português, dos expoentes da corrente libertária do socialismo.

O primeiro texto do livro, de 1995, insere-se dentro da polêmica em que Bookchin teve destacado papel, por tentar diferenciar dois projetos que haviam se colocado dentro do anarquismo: um individualista e outro socialista. O segundo texto, de 1991, avalia a atual esquerda que estaria em processo de degeneração, comparando-a com a clássica “esquerda que se foi”. Afirma o internacionalismo, o federalismo, o compromisso com a democracia e os objetivos revolucionários. “

Título: O Homem e a Terra – A Industria e o Comércio
Autor: Elisée Reclus
Editora: Editora Imaginário/Expressão & Arte Editora
Ano: 2011
Idioma
: Português
Páginas: 94

O ensaio A Indústria e o Comércio, corresponde ao capítulo IX, livro IV, volume VI da obra de Élisée Reclus, O Homem e a Terra, publicado em Paris, em 1905.

“Se os grandes industriais fazem o exército montar guarda diante de seus castelos e de suas fábricas, eles fazem questão igualmente de dispor do arsenal das leis, interpretadas em seu benefício. Embora a escravidão tenha sido abolida oficialmente, não lhes desagradaria absolutamente restabelecê-la, assim como o mostra claramente o exemplo da América do Norte, onde, contudo, a emancipação dos negros foi solenemente proclamada. Evidentemente, os filhos de plantadores, dominados pelo preconceito hereditário, regateiam as condições da liberdade que eles foram obrigados a reconhecer, e buscam o melhor possível construir suas chusmas atuais sobre o modelo do tempo passado.”

Título: Renovação de Uma Cidade/Repartição dos Homens
Autor: Elisée Reclus
Editora: Editora Imaginário/Expressão & Arte Editora
Ano: 2010
Idioma
: Português
Páginas: 94

“Fossem os edis de uma cidade, sem exceção, homens de um gosto perfeito; se cada restauração ou reconstrução de edifício fizesse-se de uma maneira irrepreensível, nem por isso todas as nossas cidades deixariam de oferecer o deplorável e fatal contraste do luxo e da miséria, conseqüência necessária da desigualdade, da hostilidade que separam em dois o corpo social. Os bairros suntuosos, insolentes, têm por contrapartida casas sórdidas, ocultando por trás de seus muros exteriores, baixos e deteriorados, pátios gotejantes, montes repugnantes de pedregulho, miseráveis assoalhos de ripas. Mesmo nas cidades cujos administradores buscam encobrir hipocritamente todos os horrores mascarando-os por cercas decentes e embranquecidas, a miséria não deixa de transpassar: sente-se que lá atrás a morte realiza sua obra mais cruelmente do que alhures.”

Título: Malandragem, Revolta e Anarquia – João Antônio, Antônio Fraga e Lima Barreto
Autor: Winter Bastos e Nalini Narayan
Editora: Achiamé
Ano: 2012
Idioma
: Português
Páginas: 95

“Malandragem, Revolta e Anarquia – João Antônio, Antônio Fraga e Lima Barreto” é um interessante estudo de três importantes novelas da literatura brasileira, a saber, “Malagueta, Perus e Bacanaço”, de João Antônio, “Desabrigo”, de Antônio Fraga, e “A Nova Califórnia”, de Lima Barreto. A aproximação dos três textos é viabilizada pela questão da marginalidade, que se refrata, respectivamente, nas questões da malandragem, da revolta e da anarquia, que dão título ao volume. No entanto, o ponto de articulação de toda a proposta aqui apresentada é o tratamento literário do marginal ‘sob uma abordagem marginal’, que seria comum às três novelas abordadas”